Buscar

Dois meninos indígenas Yanomamis morrera, depois de serem sugados por máquina de garimpo ilegal.


No dia 12 de outubro, dia das crianças, dois meninos Yanomami de 4 anos e de 7 anos, que brincavam às margens do Rio Parima, em Roraima, foram sugados por máquinas usadas por garimpeiros ilegais na região. Depois disso, elas foram arrastadas pela correnteza do rio. É importante entender que, brincar na água, na comunidade das crianças, a Macuxi Yano, é uma atividade ensinada para seus membros desde muito cedo e, por isso, os meninos estavam fazendo algo comum a suas rotinas. A denúncia foi feita pelo Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuana. A morte das duas crianças é mais uma tragédia promovida pelo garimpo ilegal no território indígena, mesmo protegido com a demarcação oficial, como apontam os Yanomami (El País, outubro de 2021).

De acordo com o relatório “Cicatrizes na Floresta: Evolução do garimpo ilegal na TI Yanomami em 2020″,elaborado pela Hutukara Associação Yanomami e pela Associação Wanasseduume Ye’kwana, com assessoria técnica do Instituto Socioambiental, no final do século XX a exploração aurífera passou a adotar técnicas industriais que demandam altos investimentos em insumos e mão de obra. Essa mudança, contudo, traz consequências devastadoras para o ambiente e para as comunidades locais. Nos últimos anos, o relatório notou uma maior proximidade entre as atividades do garimpo e as comunidades indígenas. Isso ocorre, pois os garimpeiros se aproveitam da infraestrutura destinada ao atendimento das comunidades, como os postos de saúde e as pistas de pouso, e da falta de ação governamental para explorar a região. Como resultado, as comunidades estão mais fragilizadas em questão sanitária e sofrem com ataques violentos.


#PraTodosVerem: imagem com foto do Rio Parima. Logo do Senso Crítico no canto inferior direito e a seguinte legenda na parte superior esquerda: No dia das crianças, dois meninos indígenas Yanomami morreram depois de serem sugados por máquina do garimpo ilegal.


1 visualização0 comentário