Buscar

Lideranças religiosas denunciam violência, depredação e invasão de terreiros na busca por Lázaro.


A busca por Lázaro Barbosa, acusado de invadir uma casa e assassinar uma família no Incra 9 em Ceilândia no dia 9 de Junho, chega a sua terceira semana. No decorrer da operação, uma foto que mostra uma casa com adereços de religiões afro-brasileiras, foi divulgada como sendo a casa de Lázaro. Com isso, também associaram o criminoso ao satanismo. No entanto, a foto não era da casa de Lázaro, mas de um terreiro em Águas Lindas em Goiás e os objetos não eram satânicos, mas de religiões de matriz africana. Com essa associação equivocada entre o criminoso e os terreiros, a polícia começou a realizar buscas nos locais e acusar as lideranças de acobertar Lázaro.

Diante desse contexto, lideranças religiosas de religiões de matriz africanas, da região de Águas Lindas e Cocalzinho de Goiás, denunciam a violência e a truculência dos policiais durante as buscas de Lázaro Barbosa. Uma reportagem do G1.com (junho de 2021) coletou depoimentos de duas lideranças que relataram como a força-tarefa atuou em relação a eles. Assim, Tata Ngunzetala disse que quando viu os policiais, achou que seria alguma forma de proteção que estaria recebendo, mas ocorreu justamente o oposto. Ele estava sendo acusado de estar acobertando o Lázaro, sem que houvesse qualquer tipo de acusação formalizada ou autorização legal para aquelas ações. Ele também conta que invadiram seu celular e seu computador e que também ficou sob a mira de armamentos pesados. O pai André de Yemanjá, relatou que foram rudes nos tratamentos verbais com ele, além de terem invadido sua casa e agredido o caseiro. Além das diversas formas de violências e abusos por parte dessas autoridades, eles também depredaram altares dos terreiros, que são sagrados para suas respectivas fés.

Fotos: Correio Braziliense (esquerda) G1.com (direita).

#PraCegoVer: imagem com duas fotos das lideranças religiosas mencionadas na notícia em preto e branco. Logo do senso crítico no canto superior esquerdo da imagem

0 visualização0 comentário