Buscar

Obras de Paulo Freire


Pedagogia do Oprimido Esta obra foi escrita entre 1964 e 1968, durante o exílio de Paulo Freire no Chile. Repleta de críticas ao modelo educacional que prevalece nas instituições, o de "educação bancária", a obra propõe uma prática capaz de romper com a alienação e de edificar a transformação social. Pilares essenciais a essa prática envolvem o diálogo, o amor e a esperança. Baseado em situações concretas, o autor fala sobre um processo pedagógico pautado na libertação dos oprimidos em relação às injustiças do sistema vigente e à violência dos opressores, por meio de uma educação construída entre educando e educador, não sendo estas figuras fixas entre os agentes envolvidos no processo.

"Quem, melhor que os oprimidos, se encontrará preparado para entender o significado terrível de uma sociedade opressora?"

A importância do ato de ler: em três artigos que se complementam


Obra publicada em 1982, que aborda a importância da leitura e a relação da biblioteca popular na educação de jovens e adultos, trazendo a experiência de Paulo Freire em São Tomé e Príncipe. O autor argumenta que aprender a ler e escrever, mais do que ordenar letras e sons, é saber ler o mundo e seu contexto em um exercício de vincular linguagem e realidade.


“Os “textos”, as “palavras”, as “letras” daquele contexto se encarnavam no canto dos

pássaros - o do sanhaçu, o do olha-pro-caminho-quem-vem, o do bem-te-vi, o do

sabiá; na dança das copas das árvores sopradas por fortes ventanias que anunciavam

tempestades, trovões, relâmpagos; as águas da chuva brincando de geografia:

inventando lagos, ilhas, rios, riachos.” - sem página


Educadores de rua, uma abordagem crítica: alternativa de atendimento aos meninos de rua


A obra se trata de um folheto, que resulta das reflexões e debates entre Paulo Freire e os educadores de rua em São Paulo em 1985. O livro traça um perfil das crianças de rua e traz reflexões acerca do papel e conduta do educador que se dedica a essas crianças.


“Enquanto a que atua na escola trabalha com horários fixados, com programas e conteúdos estabelecidos, o educador de rua não tem como pensar em horários demasiados fixos, conteúdos programáticos estabelecidos e exerce sua ação pedagógica com meninos e meninas mais sofridos, mais violentados e mais proibidos de ser. Ambos, porém, necessitam, repita-se, de ocupar-se da realidade cotidiana dos educandos.” pp29 1989


#Pracegover a imagem contém um fundo vermelho, no lado direito tem uma foto do Paulo Freire, no canto superior esquerdo está o título “Algumas das principais obras de Paulo Freire” escrito em fundo que imita um papel de bloco de notas e abaixo está a foto da capa das obras “Pedagogia do oprimido”, “A importância do ato de ler” e “Educadores de Rua”


5 visualizações0 comentário